terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Pergaminho: O Mito do General Kronnt

Pra começar com meu humilde primeiro post aqui no blog do Clérigo, trago a vocês uma idéia de mito para um mundo medieval fantástico típico. Numa terra onde existe quase de tudo, o que poderia ser considerado duvidoso? O que poderia parecer mais estranho do que todos os misticismos vivos que permeiam todo um mundo e uma cultura?
Certamente algo que gere dúvida e que não possa ser comprovado, e que poucas pessoas possam afirmar com convicção algo a respeito daquele assunto, o que ocorre com o mito que vos descrevo a seguir:





___________________________________________________________



O Mito do General Kronnt


Algum tempo atrás, quem ouvisse o nome Higor Halphter Kronnt não pensaria nada demais. Poderia até achar graça do nome do indivíduo, que é um tanto incomum por estes lados do mundo, ou poderia simplesmente ignorar, pensando ser ele apenas mais algum estrangeiro, como os que vagam ultimamente pelas grandes cidades. O problema é que os tempos mudaram. E hoje seu nome é famoso, e temido.

Higor Halphter Kronnt, chamado comumente apenas de H. H. Kronnt, ou até mesmo de General Kronnt (embora, conforme crê-se, ele jamais tenha sido mesmo um general) é um famoso personagem de uma guerra que ocorreu séculos atrás. Não se sabe muito sobre sua origem, e nem se as histórias que se contam a respeito dele são reais. E mesmo que fossem, seria difícil separar o que é real do que não é, pois em pequenas cidades e vilas as suas façanhas violentas e assustadoras são apenas sussurradas, e não há uma uniformidade perfeita que faça com que todas as histórias sobre ele se enquadrem em algo lógico, de acordo com os termos de lógica que são comuns aos sábios.

Dentre as versões mais antigas da história, a que mais se destaca conta que H. H. Kronnt seria general em uma batalha que decidiria o destino de seu reino. Dotado de grande talento de combate e de uma mente fortemente estratégica, a guerra seria vencida sob sua liderança sem dúvida alguma, e finalmente ele poderia escrever seu nome nas páginas da História, tornando-se igual aos personagens heróicos pelos quais sustentava imensa admiração. Os dados do destino não lhe foram favoráveis entretanto, e espalhou-se rapidamente um rumor de que ele seria um traidor a serviço do inimigo. Após essas notícias chegarem aos ouvidos do Rei, e por até mais de uma boca, o futuro general que os levaria à vitória foi queimado vivo na frente de todo o exército, enquanto ardentemente e com nobreza cantava o hino de sua nação, tentando, em vão, provar sua lealdade mesmo quando condenado à morte. Logo outro sujeito tomou o seu lugar. Esse outro, porém, não era importante, seu nome não iria ser escrito nos anais do reino, e nem lembrado. O de Kronnt, por outro lado, seria o que marcaria todos os acontecimentos importantes de então.

Logo a batalha começou, com os dois lados ferozes. As forças invasoras e os defensores travaram um duelo que se arrastou por mais de uma semana. Numa noite em que uma vitória parcial foi ganha e uma boa parte dos arqueiros inimigos fora dizimada, algo estranho ocorreu: a manhã não veio, pelo menos não como deveria. O dia seguinte continuou escuro, quase como se fosse a noite, embora os sábios dissessem que não havia nenhum eclipse perto de acontecer. E ao fim do que seria a tarde, durante um forte embate, que seria o último, no qual os invasores seriam finalmente rechaçados, algo invadiu o campo de batalha, e devastou a tudo. Não sobraram soldados de qualquer dos lados. A única pessoa que sobreviveu foi aquele rei que havia matado quem lhe era mais leal, e ele havia visto o que ocorrera: das cinzas e da poeira surgiu uma figura conhecida de muito tempo, com uma espada brilhante na mão direita e, na esquerda, um machado. Coberto por uma capa amarela desbotada onde via-se o estranho desenho de um homem segurando nas mãos a própria cabeça, um conhecido símbolo antigo da Vingança Justa. H. H. Kronnt retornara para provar que havia sido condenado injustamente.

Isso, claro, é o que as lendas dizem. Depois desse acontecimento, o tal rei teria se suicidado de remorso e seu reino teria sido invadido pelas forças inimigas que retornaram anos depois, encontrando tudo abandonado. Desde então dizem que o General Kronnt vaga pelo mundo à procura de guerras e injustiças, onde ele supostamente aparece e mata a todos, não importando se são inocentes ou não. Os exércitos rogam aos deuses para que os protejam deste ser, e não querem acreditar que ele poderia ser real. Ninguém (vivo) nunca viu Kronnt para afirmar que ele existe. A simples menção de seu nome, entretanto, pode causar caos entre os soldados, que tornam-se mais incontidos do que de costume ao ouvir aquele nome que lhes é contado em histórias desde seus nascimentos.

Há outras versões da lenda, dezenas delas. Umas elevam Kronnt ao status de deus ou de força da natureza, tamanho o poder que dizem ele possuir. Outras o tratam apenas como um mero espírito vingativo que apareceu no campo de batalha e causou um pouco de transtorno, sem realmente destruir tudo e todos. Outras ainda sugerem que ele é a encarnação do Deus da Vingança, enquanto umas poucas dizem que ele não era realmente um personagem importante da guerra e sim apenas um prisioneiro torturado sanguinariamente. Assim mesmo, todas as versões da lenda dizem que ele voltou por vingança e permaneceu no mundo para assolar onde quer que haja uma batalha, e que antes de sua presença ser demonstrada, ouve-se ao longe uma cantiga em linguagem estranha e arcaica impossível de se entender, enquanto o céu é escurecido e cinzas vindas do alto preenchem o local.

Tudo isso, é óbvio, são lendas e mitos. A maioria das pessoas apenas espera que coisas desse tipo não sejam verdade. O que não quer necessariamente dizer que não sejam.

___________________________________________________________

Imagem por loztvampir3.

7 comentários:

  1. nossa, otimo trabalho! bem inspirador.encaitar, cade seu quadrinho com "nome do autor e pqna biografia"?

    ResponderExcluir
  2. Que bom que gostaram \o

    Pois é, quando eu visualizei o post ontem, estava aparecendo aquele quadrinho, mas agora sumiu... estranho /:

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post, como já era de se esperar! O que mais gosto é que o Encaitar não deixa nada como definitivo, mas são apenas possibilidades.

    Sobre o quadradinho com a biografia, o Encaitar alterou o nome dele no perfil do blogger, então tive que corrigir o código HTML do negócio. Agora tá funcionando normal =D

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. O cara é bom mesmo, rsrsrsrs. Mal posso esperar pelos próximos pergaminhos deste aprendiz de mago!

    ResponderExcluir
  6. Logo vocês verão mais, assim que eu pensar em alguma coisa... ^^

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.