quinta-feira, 24 de março de 2011

Cantiga do Trovador: A Batalha do Templo

Pra começar a primeira Cantiga do Trovador, trago-vos um poema retratando uma pequena batalha entre paladinos e yuan-ti, pelo controle de um antigo templo, profanado há muito pelos seres ofídios. A batalha e a resolução seguem adiante:



____________________________________________________________


I

O soar dos trompetes belicosos,
Portentosos, sonoros, dominantes.
Enervantes e próximos da fúria
Nas lamúrias daqueles odiosos

E malditos imigos por ali:
Yuan-ti cultuando o puro mal.
Em total valorosos, paladinos
Sãos, divinos, detinham ódio ali.

Ondas de choque, escudos ribombantes;
Vacilantes ainda assim os justos.
Em grão custo de vidas de soldados,
Ruma irado o mais fero comandante:

Tartamil Gamakin, homem de sorte,
Homem forte, valente cavaleiro.
Indo inteiro (sem chagas de batalha);
Sua navalha levando junto a morte.

Por tão épica luta, foi lembrado,
Ordenado por um destino santo.
Entretanto, no cerne da peleja
(Mortal seja), da vida foi tirado.




II

Flâmulas claras no ar, a balançar,
Inda a estar sobre o chão corpos aos montes.
Novas fontes de história pra escrever,
Defender a lembrança no cantar.

Templo de sortilégio rechaçado,
Habitado por número gigante,
Imigrante, de feras sem nobreza,
Sem presteza nos atos perpetrados.

Serpentes por completo em seus espíritos,
Aos aflitos impunham malvadeza.
Fortaleza de tanto tempo feita
E desfeita por bem e mal atritos.

Cultos antigos, pérfidos, não mais,
O que traz segurança e bom exemplo.
Deste templo se foi o mal, caído,
E traído por si mesmo, desfaz.

Heresia punida com louvor
E labor de soldados bem treinados.
Registrados nas linhas dos anais
Estão mais estes feitos de valor.

9 comentários:

  1. Eu não entendo nada de métrica, mas curti a balada.

    ResponderExcluir
  2. Cara, muito legal. O começo me fez lembrar de Camões, no início de Os Lusíadas.

    Acho que você leva jeito pra poesia mesmo, Encaitar. Seria uma bela história para ser entoada em uma taverna!

    ResponderExcluir
  3. \O/ HAIL Encaitar!!
    Ganhou 1000 de XP!

    ResponderExcluir
  4. Bom, se vocês gostaram então gostei também :)

    Pior que é, Clérigo... acho que meio que me baseei (plagiei) inconscientemente, haha. Não que isso seja ruim, espero xD

    ResponderExcluir
  5. parabens, mago bardo!

    red, noa dá 1k xp pq ele ta no primeiro nivel! assim ele sobe muito rapido e nao aprende a ser um personagem de nivel alto, hehehe

    ResponderExcluir
  6. Pessoalmente não gosto de poesia. Mas devo parabenizá-lo, Encaitar, afinal atualmente poucos ainda escrevem poesia seguindo métrica e esquema de rima, como vc fez (isso sim é arte!)
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Ah, Rafael, cortou o meu barato... agora vou ter que borrar 899 de Experiência da ficha :(

    Fã da Daemon, é mesmo um pouco complicado esse troço de métrica (no qual ainda não sou bem treinado), e somando isso à correria dos tempos modernos, é compreensível o fato de poucas pessoas dedicarem um pouco de tempo (que já é escasso) a coisas desse tipo...

    Obrigado pelos comentários! :D

    ResponderExcluir
  8. Legal demias a poesia... uma das dificuldades que encontro é falar pros jogadores o que o bardo da taverna está cantando ou contando... belo post...
    Epa... Mago1, Bardo1... será que ele não tá lançando um feitiço na gente pra doarmos todos os nossos bens pra ele???
    Red bafora eleeeee.....!!!

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.