domingo, 18 de setembro de 2011

Post do Leitor: Belregard


Galera, a seção Post do Leitor está de arrasar. E não é sem motivo. Apresentamos hoje um excelente cenário do RPG nacional. Bem, sem mais delongas, passo as palavras ao nosso amigo J. Neves IV, criador deste fantástico mundo chamado...
 



Saudações, leitores do blog.

Venho até vocês fazer uma breve divulgação sobre o cenário que tenho desenvolvido, em parceria com o RafaelKain, a quase um ano. Muitos aqui já devem conhecer, ou pelo menos ter ouvido falar, trata-se de Belregard.

Eu sempre tive vontade de criar meu próprio cenário, acho que é o desejo de todo mundo que passa muito tempo narrando, ou mesmo jogando, chega um hora em que desejamos colocar algo nosso no mundo dos jogos. Belregard carrega muito da minha preferência por cenários mais pé no chão, onde a magia é discreta e o próprio perfil do jogo é mais denso, maduro e bruto. Certa vez eu defini Belregard como: “Um encontro de Robert E. Howard com a Literatura Cortês, enquanto H.P. Lovecraft espia sob as tábuas do porão”. Creio que a frase explique bem o conceito geral do cenário. Vou explicar.

Robert E. Howard me empresta um perfil cru e brutal da vida. Com um mundo supersticioso e uma magia extremamente perigosa de ser manipulada. A Literatura Cortês trás tudo o que podemos esperar de um cenário medieval, com suas lendas e seres míticos. Por fim, Lovecraft nos choca com a impotência do homem diante de forças que ele sequer sabe compreender, um traço que fica claro em Belregard quando se lida como os Patriarcas Selvagens, algo que será explicado a seu tempo, e a própria magia ritualística que cobra muito do pretensos conjuradores.

Além dos escritores citados acima, seria impossível conceber este jogo sem o apoio de inúmeras referencias ficcionais ou reais. Para citar apenas algumas temos a Bíblia, Caibailion, O Caminho do Guerreiro Pacifico, Matrix, Maitreya, Busca Final, Ravenloft, Terra Devastada, Mago a Cruzada dos Feiticeiros, e tantos outros. Alguns leitores poderão encontrar semelhanças entre Belregard e “Song of Ice and Fire” e esta tem sido uma faca de dois gumes para nós. Por um lado, é uma referência maravilhosa, uma ótima fonte de inspiração, por outro, me sinto um tanto quanto frustrado quando meu trabalho é minimizado a uma versão de Westeros, sendo que só vim a conhecer os livros pouco antes do lançamento da série de TV. Mas não transformarei isso num desabafo.

Vamos a alguma explicação mais direta.

O Jogo

Em Belregard, os jogadores assumem o papel dos Arautos, homens e mulheres que passaram por uma experiência capaz de lhes abrir os olhos para toda a Mentira do mundo. Esta Mentira não é um inimigo apenas conceitual, mas também é, muitas vezes, real. Enquanto o Arauto segue em sua busca pela Verdade elementar, em um mundo ocupado por pessoas cegas, ele percebe que torna-se cada vez mais difícil conviver com aqueles que ele um dia considerou seus irmãos.

Belgho. Arte de Berto Souza.

Por outro lado, tivemos o cuidado de não limitar o jogo a uma única campanha, como costuma acontecer com muitos jogos indies, em Belregard existem inúmeras intrigas e conflitos bastante reais para serem ignorados por qualquer pretenso Arauto em busca da verdade. Nos preocupamos em criar um mundo que gire sozinho, com disputas de poder no campo físico, mental e social. Isso abre margem para que o narrador e seu grupo escolha que tipo de abordagem eles preferem para seus jogos.

Na mítica do mundo, os homens foram criados por Deus para limpar a terra de suas primeiras crianças, chamadas Selvagens, que acabaram por seguir um rumo não planejado pelo Pai. Uma etnia em particular, os Belghos, reivindicam esse papel na história e dizem ainda que foram eles os responsáveis por tirar outros grupos humanos deste estado primitivo, trazendo-os à civilização. Hoje, Belregard está dividida em castelanias, reinos, que lutam por seus próprios interesses onde poucos preocupam-se verdadeiramente com esse papel da humanidade.

A igreja criada em torno deste culto ao Criador tem tentado manter os interesses dos homens focados, mas seu esforço reflete mais o de um despotismo do que o de uma religião propriamente dita. São essas atitudes que acabaram por criar uma verdadeira teia de mentiras em todo o mundo e é contra ela que os Arautos devem lutar.

Obviamente o jogo foi concebido em cima dos princípios humanos que abordam feitiçaria, maniqueísmo, paganismo, devoção, fé, violência e afins. O conhecimento sobre algumas bases arcanas do Rafael foram importantes para conceituar os antagonistas e o andamento do jogo, tentando tornar Belregard algo realmente jogável e não apenas um cenário estático.

O Sistema

O sistema de Belregard, chamado G.E.T. (General Tatics), foi desenvolvido por RafaelKain e Pablo “Falcão Branco”, com pitacos meus. Utilizando apenas dados de seis faces, o sistema presa pelo bom senso e pela narrativa. Tentamos criar algo leve e solto, que não deixará jogadores e narradores presos ao livro. Por outro lado, é preciso ter uma boa colaboração entre narrador e jogadores. O sistema tomou emprestado as Características do Terra Devastada, porem adicionamos 3 Atributos, que juntos, definem o que chamamos de Anéis do Caráter Irrepreensível, O Caminho do Guerreiro.

Para aqueles que ficaram minimamente curiosos, podem baixar aqui o Fast Play com um resumo do cenário e um resumo das regras.

http://www.4shared.com/document/tklMELQn/Belregard_FAST_PLAY_15.html
Uma versão 2.0 deste Fast Play deve ser disponibilizada nos próximos meses.

Aqueles que desejarem testar o sistema em suas mesas, estarão nos fazendo um grande favor. Qualquer reporte, dúvida, crítica e sugestão, são extremamente bem vindos. Quem desejar entrar em contato pode enviar um e-mail para jnsbmm@gmail.com ou rafael.jakeline.araujo@gmail.com

Muita coisa já foi escrita, mas acredito que somente com suas dúvidas, poderemos lapidar mais e mais este cenário que estará ao alcance de todos em breve. Podemos dizer que, praticamente, temos um livro pronto. Tudo o que falta é aparar as arestas.

Agradeço a atenção de todos, bons jogos!

DruidaO Druida já era um druida antes mesmo da chegada da 3ª edição. Desenhista, escritor e professor de artes marciais é também fã de quadrinhos, pintura, literatura, poesia, músicas new age e principalmente RPG. Passou alguns anos tentando construir um PdM épico para sua campanha de DeD 3.5, mas nunca conseguiu calcular corretamente seus talentos, perícias e magias. Acabou desistindo e abraçou o movimento Old School.

7 comentários:

  1. Excelente pergaminho!

    Meus parabéns ao sábio Druida e ao nobre J.Neves IV!

    ResponderExcluir
  2. J.Neves IV está fazendo um excelente trabalho. Parabéns =D

    ResponderExcluir
  3. Poxa, muito legal este conteúdo! Parabéns

    ResponderExcluir
  4. J. Neves IV de fato é muito talentoso! Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Agradeço pela divulgação, pessoal!

    ResponderExcluir
  6. Eu acho muito bom o cenário...

    Parabéns ao J. Neves IV e ao RafaelKain...

    Continuem o excelente trabalho =D...

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.