sábado, 8 de outubro de 2011

Aleatório: Animatrix - Mini cenários


Saudações caros manolos. Estou aqui de novo outra vez para dar uma força em suas sessões de RPG e ajudar com ideias pouco convencionais. Hoje vamos falar sobre Animatrix e como esta primorosa obra pode render cenários interessantes para ambientar suas campanhas e aventuras.


Bom, primeiro para aqueles que ainda não tiveram contato com o tema deste post aqui vai um resumo do que se trata:

"Numa iniciativa inédita, Larry & Andy Wachowski, os criadores da trilogiaMatrix, produziram uma série de animação para ampliar os conceitos criados para seus filmes. O resultado é Animatrix, nove curtas-metragens nos quais consagrados mestres dos animês emprestam seus talentos à franquia, que mostra a luta dos últimos humanos livres contra a opressão das máquinas conscientes.
Os episódios de Animatrix explicam pontos obscuros dos filme, revelam a origem de personagens e fazem ligações entre os longas e o videogame Enter the matrix. Quatro deles estão disponíveis no site oficial da franquia, outro foi exibido antes de O apanhador de sonhos e o restante pode ser conferido no DVD que reúne os nove capítulos. Nenhum tem como objetivo ser indispensável para o entendimento dos filmes, mas quem conferir todos os produtos terá uma visão muito mais completa e emocionante sobre o mundo de Matrix no cinema."

O segundo renascer - Partes 1 e 2
Roteiro: Irmãos Wachowski / Direção: Mahiro Maeda


Através de uma visita aos arquivos de Zion, a última cidade da humanidade, o épico The second renaissance revela alguns segredos sobre as origens do conflito entre os homens e as máquinas. O curta, que foi dividido em duas partes, mostra a decadência das últimas cidades humanas, a vaidade dos homens levando à criação de máquinas à sua imagem e semelhança, o início da revolta dos robôs e deve revela como teve início a "câmara de sonhos", a Matrix, utilizada pelos robôs para manter pessoas em estado onírico, enquanto seus corpos são convertidos em fontes de energia. Lembre-se que, no universo criado pelos irmãos Wachovski, "humanos não nascem mais... são cultivados" - Morpheus (Lawrence Fishburne), no filme de 1999.
A "segunda renascença" do título do filme faz referência ao período do Renascimento, caracterizado na história da Europa Ocidental pelo enorme interesse no desenvolvimento da cultura e das artes. O movimento teve como berço a Itália e começou no século XV. Ironicamente, a nova renascença proposta pelo primeiro episódio de Animatrix não diz respeito à cultura humana, e sim, anuncia a formação de um estado robótico, chamado de 01 - mais uma referência ao código binário, utilizado exaustivamente em Matrix. A animação também sugere um interessante paralelo entre o povo robô e os judeus. Ambos sofreram um holocausto de dimensões descomunais e estabeleceram sua capital no berço das maiores religiões do planeta, o Oriente Médio.
Quanto aos aspectos técnicos de The second renaissance, há muito pouco a ser comentado. A animação é perfeita, a construção de cenários surpreendente, a trilha sonora lembra bastante a de Matrix e a temática é bastante forte, com cenas extremamente violentas. As cenas de combates estão entre as graficamente mais impressionantes já criadas em desenho animado, produzidas de forma a dar a impressão que foram gravadas de dentro do campo de batalha. Aliadas ao roteiro primaz dos Wachowskis, deixam a certeza de que a influência de Matrix continuará a ser sentida em todos os segmentos da indústria do entretenimento por décadas.

Na sua mesa: Acredito que o período mais interessante para ambientar uma campanha aqui seja durante a guerra com as máquinas, quando a humanidade ainda tinha esperanças de vencer e ninguém imaginava que a Matrix viria a existir. "3:16 carnificina entre as estrelas" cai como um luva para este tipo de jogo, basta trocar os aliens por máquinas.

O vôo final de Osiris
Roteiro: Irmãos Wachowski / Direção: Andy Jones


O vôo final de Osiris, escrito pelos Irmãos Wachowski e dirigido por Andy Jones(diretor de animação de Final fantasy), é considerado pelos produtores o episódio 1.5 da trilogia. Cronologicamente, o curta começa depois de Matrix e tem importância fundamental em Matrix reloaded. Nele, um hovercraft (nave idêntica à pilotada por Morpheus nos filmes) chamado Osiris faz uma estarrecedora descoberta. Milhares de sentinelas estão defendendo uma gigantesca máquina na superfície do planeta. Seu intuito é abrir um túnel até Zion, o último refúgio dos humanos livres, localizado quilômetros debaixo da terra. Desesperada, a tripulação da nave precisa avisar os cidadãos da cidade sobre a ameaça, para que algo seja feito. Contudo, terão que enfrentar um verdadeiro exército de sentinelas, a fim de que Jue, uma guerreira de Zion, possa entrar na Matrix e deixar uma fita com o alerta para que outra equipe possa resgatá-la.
O curta é um verdadeiro colírio. A Square USA, Inc, também responsável por Final Fantasy, melhorou ainda mais os gráficos hiper-realistas das personagens que, em certos momentos, passariam por humanos com tranqüilidade. A seqüência de abertura do filme também é impressionante e - pasme - sensualíssima. Os visuais externos estão simplesmente irretocáveis, idênticos aos do filme original. A trilha sonora também tem diversos elementos de Matrix e ajuda para tornar O vôo final de Osiris uma continuação à altura da saga.
Os eventos desencadeados na animação, além de influenciarem o segundo filme, também dão o tom de uma das missões de Enter the Matrix, o jogo da franquia que, por sua vez, também tem estreita relação com os filmes. Enfim, os irmãos Wachowski estão decididamente fazendo história, numa saga contada em diversas mídias.

Na sua mesa: Aqui temos um exemplo do que seriam aventuras mais clássicas dentro do universo de matrix. Os personagens neste caso são membros das forças rebeldes humanas. Eles tem o dever de coletar o máximo de informação possível sobre os planos das máquinas e eventualmente também precisam fazer incursões dentro da Matrix, seja para missões de sabotagem seja para resgatar pessoas para se juntarem a causa. Eles podem até mesmo estar em Zion no momento em que as máquinas finalmente conseguem invadir a cidade.

Uma história de detetive
Roteiro e direção: Shinichiro Watanabe


Escrito e dirigido por Shinichiro Watanabe (Cowboy Bebop), o curta mostra Ash, um investigador linha-dura contratado por um telefonema misterioso para procurar a hacker conhecida como Trinity (voz da própria Carrie-Anne Moss).
Bastante diferente dos demais episódios da série, Uma história de detetive revela o mundo futurista de Matrix sob a ótica dos filmes noir, aquele dos climas tensos, em preto-e-branco, das mulheres fatais, dos senhores de smoking, dos fumantes inveterados, das mortes misteriosas e das longas investigações. A escolha se encaixa plenamente na história, já que, assim como em Matrix, em um filme noir, nada é o que parece ser.

Na sua mesa: Um ótimo cenário para investigações mais sérias e aventuras pulp. Uma possibilidade muito interessante é os personagens estarem trabalhando para as máquinas sem saber, perseguindo e eliminando os rebeldes humanos, no entanto o que acontece quando eles deixarem de ser úteis para as máquinas?



Coração de soldado
Roteiro e direção: Yoshiaki Kawajiri


"Program" (nome original) foi escrito e dirigido por Yoshiaki Kawajiri (Vampire Hunter D). A história se passa dentro de um programa simulador de treinamento de samurais, onde uma guerreira de Sião deve escolher entre ficar com seu amor dentro da Matrix ou deixar seus companheiros no mundo real.
Diferente do primeiro capítulo da série ("The Second Renaissance - Part 1"), completamente focado na mitologia da série, "Program" trabalha dentro dos conceitos do filme mas não agrega informações relevantes à história. Todavia, é simplesmente espetacular pelas cenas de ação, exemplos da melhor forma dos animês, com combates de tirar o fôlego e um final impressionante.

Na sua mesa: imagine que as máquinas estão fazendo experimentações com formas alternativas da matrix, servidores independentes onde a "realidade" é totalmente diferente da que conhecemos (ou achamos conhecer). Por exemplo, em um desses lugares os humanos aprisionados poderiam poderiam acreditar que são samurais e ninjas superpoderosos que combatem exércitos. Agora imagine que depois de conseguir tudo o que desejam a extensão de deus poderes dentro da simulação acaba por romper a realidade virtual em que se encontrão.  O que fazer agora? continuar vivendo seu sonho dourado sabendo que não passa de ilusão ou encarar a realidade e tentar enfrentar as máquinas? Uma bela reviravolta para mudar sua campanha se ela estiver indo mal.


Além da realidade
Roteiro e direção: Koji Morimoto

Ao assistir "Além da realidade" é difícil deixar de imaginar a Matrix como um gigantesco sistema operacional Windows. Claro que, como é tradição na cria de Bill Gates, falhas acontecem constantemente... sendo assim, como seria uma falha na Matrix? É exatamente esse aspecto da realidade virtual que é explorado neste episódio. Numa pequena cidade, a jovem Yoko sai em busca de seu gato. Acaba encontrando-o numa casa tida como mal-assombrada por um grupo de garotos locais. Na verdade, a residência sofre com problemas operacionais de toda sorte. A gravidade funciona errado, chove torrencialmente apenas em uma pequena área e um bizarro efeito temporal cria efeitos replay num determinado quarto, entre outros bugs. Porém, como todos os "paus" de informática, o sistema precisa ser consertado. Para tanto, é necessário o suporte técnico da Matrix...

Na sua mesa: este cenário funciona bem como um primeiro arco de história para envolver os personagens em uma campanha mais clássica de matrix. Os personagens são pessoas comuns e geralmente por puro acaso começam a dar de cara com mais e mais bugs dentro da matrix. E eventualmente entrando em contato com os pragramas/agentes de concerto dentro da matrix. As máquinas passam a associar o aparecimento deles com ações de sabotagem e começam uma perseguição implacável dentro da realidade virtual. Tento que fugir desesperadamente dos homens de preto os personagens acabam atraindo a atenção de um grupo de rebeldes que vem resgatá-los, ou não.


Era uma vez um garoto
Roteiro e direção: Shinichiro Watanabe

Em Matrix Reloaded surge um novo personagem para a série, The Kid (Clayton Watson). Em "Era uma vez um garoto", Shinichiro Watanabe, através de uma técnica similiar à rotoscopia (aquela na qual cada quadro de um filme é pintado), conta a origem do personagem e como foi seu "despertar".
Sentado em sua sala de aula, The Kid recebe um convite pessoal através de seu telefone celular. "Eles sabem que você sabe. Saia daí", brada a voz de Neo no fone. Infelizmente para o garoto, a saída será muito mais difícil do que ele imaginava. O episódio traz as vozes de Keanu Reeves (Neo), Lawrence Fishburne (Morpheus) e Carrie-Anne Moss (Trinity).

Na sua mesa: uma abordagem que eu considero interessante é fazer os personagens se perguntarem sobre a noção de realidade que tem, isso pode acontecer de maneira mais gradual ou então ser jogado na cara dos personagens como uma bomba incendiária. Agora as máquinas sabem que eles sabem, e farão de tudo para impedir os protagonistas de escapar da Matrix.



Os outros dois vídeos da obra ( "O recorde mundial" e "O robô sensível") tem conceitos bem legais, mas um tanto quanto difíceis e complicados de transpor para uma mesa de RPG. Bom manolos, por hoje é isso, e lá vai mais uma semana temática. É muito legal postar no sábado porque alguns leitores ficam me perguntando sobre o que vou escrever quando meus parceiros de blog já fizeram posts tão interessantes durante a semana, haha. Ah, e como já é costume, comentem ai, nem que seja para dizer que ficou ruim, críticas construtivas são bem vindas sempre.
Hiago AzuredHiago Azured, Roleplayer 4/Powergamer 1; tendência:??? FOR 8, DES 12, CONS 10 INT 17, SAB 9, CAR 15 Além de rpgista é metaleiro, DeMolay, nerd, otaku e agnóstico. Costuma chamar as pessoas de "manolo", tem leve tendência a falar de forma exagerada, joga todo e qualquer cenário/sistema que aparecer em sua frente. Por algum motivo considera a amizade verdadeira uma forma superior de amor. Anime favorito: BERSERK. Mora no Acre e é criador do Crônicas do Nerd Perdido.

4 comentários:

  1. Agora deu vontade de assistir a série! Sabia que existia, até passou na tv um bom tempo atrás, mas nunca tive muito interesse. Quando a internet aqui ajudar vou atrás com certeza!

    ResponderExcluir
  2. Excelente Post!!!
    E quem não conhece ASSISTA! Pra mim, eh melhor que as duas continuações de Matrix!

    ResponderExcluir
  3. Essas animações são muito lokas!

    ResponderExcluir
  4. Nossa eu assisti uns trocentos anos atrás... nem lembrava mais de animatrix, mas é bem legal. E suas ideias para aplicação na mesa ficaram muito boas, Hiago.

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.