quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Conversa de Taberna: Resenha: Guia de Sobrevivência a Zumbis



Escolha suas armas. Prepare seu esconderijo. Trace uma rota de fuga. Eles estão chegando.
Se você considera os zumbis meros personagens de filmes de horror, está cometendo um grande erro. Eles estão mais próximos do que nunca e sua fome é implacável. O futuro da humanidade está em risco e o Guia de Sobrevivência a Zumbis pode ser sua única salvação num mundo dominado por mortos-vivos.




O Guia de Sobrevivência a Zumbis foi escrito por Max Brooks, e explica detalhadamente e passo a passo como se defender dos seres monstruosos. Desde a fisiologia do morto-vivo e a preparação de sua residência para o ataque até a escolha de um bom plano de fuga, ele detalha quais armas são mais úteis e as melhores técnicas para exterminas essas vis criaturas. No fim do Guia, relata-se algumas sanguinolentas invasões zumbis ocorridas ao longo dos séculos.
“Agora, cabe a você estudar este guia e preparar-se para a invasão. Ou será que você prefere encarar tudo isso como uma piada e se transformar no jantar dos mortos-vivos?”

Já na introdução, é destacado que o Guia destina-se a sobrevivência, este traz o conhecimento necessário para sobreviver a essas feras subumanas. Não se busca vitória, ou conquista ou transforma o leitor num caçados de mortos-vivos, busca-se com a obra fornecer o conhecimento necessário para a sobrevivência a insurreições de zumbis.

A origem dos zumbis se deve a um vírus, denominado Solanum, que age na corrente sanguínea e usa as células do lobo frontal do cérebro para multiplicação, destruindo-as durante o processo. Quando o coração para de bater, o indivíduo infectado é dado como morto, contudo, seu cérebro permanece vivo, ainda que em estado latente, enquanto os vírus realizam uma mutação nas células, transformando-as num órgão completamente novo. A característica mais crítica deste novo órgão é sua independência do oxigênio. Uma vez que a mutação é concluída, esse novo organismo reanima o corpo, enquanto que algumas funções corporais permanecem constantes, outras operam com a capacidade modificada e o restante é completamente paralisado. Esse novo organismo é um zumbi, um membro da horda dos mortos-vivos. O Solanum não cria vida, ela a altera.

Dizem que os zumbis possuem poderes sobre-humanos, o que é inverídico. Não se esqueça de que o corpo de um morto-vivo é, para todos os propósitos práticos, humano. As mudanças que podem ocorrer estão na maneira como esse novo corpo reanimado é utilizado pelo cérebro agora infectado. Contudo, os zumbis podem se esforçar além dos limites humanos que estamos acostumados, vez que a exaustão e a dor não ditam os seus limites.

Todavia, o principal que se deve entender da fisiologia dos mortos vivos é que há milhares de maneira de matar um ser humano e apenas uma de matar um zumbi: o cérebro deve ser destruído por qualquer meio possível.



As insurreições de zumbis podem ser de 4 níveis:

· Tipo 1 --> Essa é uma insurreição de nível baixo, o número de zumbis varia de um a vinte e de baixas humanas (incluindo as infectadas) de um a cinqüenta. A área infectada é sempre pequena, em média 32km de raio. Caso a imprensa cubra o ocorrido, procure por histórias comuns como homicídios ou acidentes.
· Tipo 2 --> As áreas urbanas ou rurais densamente povoadas estão incluídas nesse nível de ataque. O número total de zumbis pode variar de vinte a cem, e de baixas humanas pode atingir várias centenas. Geralmente possui cobertura da mídia, apesar de não ser transmitido o caso de forma correta.
· Tipo 3 --> Uma verdadeira crise! Os ataques de nível 3, mais do que qualquer outro tipo, demonstram uma clara ameaça proclamada pelos mortos-vivos. O número de zumbis pode chegar a milhares e a operação de limpeza pode demorar vários meses. Até mesmo, sem a atenção da mídia, a magnitude do ataque deixará muitas testemunhas oculares. Os que vivem nas áreas infestadas estarão isolados, abandonados e cercados de necrófilos, e só poderão contas consigo mesmo ( e com as dicas do Guia).
· Tipo 4 --> O pior aconteceu. O mundo foi dominado pelos mortos-vivos. Agora só resta a você sobreviver a apreender a viver em um mundo infestado de zumbis.

Para os casos de insurreições de nível 1, 2 e 3 é recomendado utilizar as regras contidas no Guia até que o resgate chegue (o que pode demorar meses). Já no caso do Tipo 4 serão necessárias outras formas de preparação (que são discutidas melhor no livro Guerra Mundial Z de autoria, também, de Max Brooks).

Quanto as técnicas de combate trazidas no Guia, temos algumas regras gerais que devem ser obedecidas:

· Obedeça à Lei --> As regulamentações que controlam armas dependem da sua região. Siga-as ao pé da letra. Quando os mortos se levantarem, as forças da lei devem olhar para você como um cidadão modelo, alguém em que se deve confiar e deixar em paz, e não um deliquente com um passado duvidoso que deve ser interrogado ao primeiro sinal de problema.
· Treine todos os dias --> Não importa que arma você escolher, de um simples facão a um rifle semi-automático, ela deve ser uma extensão do seu corpo. Pratique o máximo possível.
· Cuide de suas ferramentas à As armas, independente de sua simplicidade, devem ser cuidados como seres vivos. Isso se aplica tanto a armas de fogo, quanto as armas de luta corpo a corpo.
· Fique atento aos artigos disponíveis --> Sempre avalie o artigo escolhido minuciosamente e assegure-se de que ele foi de fato projetado para o uso no mundo real. Existem muitas réplica por ai que não se destinam a batalhas.
· Fortaleça a primeira das armas --> O corpo humano, se cuidado e treinado de forma apropriada, é a maior arma existente na Terra. Hoje os seres humanos são conhecidos por serem bicho preguiça, se bem que um termo mais adequado seria gado: gordo, preguiçoso, apático (e fofinho) e pronto para ser comido. A arma número um, a ferramenta biológica que é o nosso corpo, pode e deve ser transformada de presa em predador. Obedeça uma dieta rigorosa e um regime de adequação física.

O livro traz a descrição das principais armas de fogo e brancas, além de arremesso, e elétricas, revelando as principais qualidades e defeitos de cada uma e oferecendo dicas para a escolha da arma principal e secundárias. E formas, seguras de se utilizar fogo para se acabar com zumbis (três vivas pro coquetel molotov!!!).

Ah, recomenda-se que utilizem roupas justas e cabelos curtos, afinal ninguém que ser alçado por um zumbi. Os mortos-vivos atacam estendendo os braços para agarrar suas vítimas, detendo-as e só então mordem. A lógica dita que quanto menos material houver para ser agarrado, melhores serão as chances da pessoa. (sei não, ainda não vou cortar meu cabelo :p)

Traz, também, a quantidade mínima de balas e outros itens necessários para a sobrevivência (água, comida, remédios, etc..), analisar os tipos de veículos e terrenos para viagens mais longas (caso seja necessária uma fuga), além de ter um guia para proteger sua residência em casa de insurreições de tipo 1 e 2 e onde procurar ajuda.



Aqui cabe ressaltar que deve-se ficar longe das delegacias, já que em caso de calamidade todas as pessoas tende a correr para lá o que só gera mais tumulto e atrai mais zumbis; mas, principalmente, fique longe de hospitais e necrotérios, estes são os lugares que as pessoas são levadas quando “morrem”e onde os primeiros zumbis se levantaram.

Possuem também, um capítulo destinado a caça e destruição de mortos-vivos. Se os órgão governamentais falharem, a responsabilidade de erradicar a ameaça é sua e daqueles que sobreviverem. As táticas e armas descritas no Guia foram testadas e comprovadas como prontas para uma guerra, para o momento em que a hora da retirada terminou e é chegada a hora de caçar os caçadores.

Durante todo o Guia, Max Brooks trata o assunto de forma séria e dinâmica, percebe-se que, para ele, a insurreição zumbi é uma possibilidade, e pode acontecer a qualquer momento. O seu outro livro (Guerra Mundial Z) também traz regras bens úteis no caso de uma insurreição Tipo 4.

Agora, cabe a cada um decidir como tratar esse Guia. No mínimo, ele é um ótimo manual de sobrevivência para jogos de RPG que trazem o apocalipse zumbi. Podemos dizer que é um livro do jogador universal anti-zumbis.

Para os que acham que Brooks é totalmente insano, leiam a nota do CDC - Centers for Disease Control and Prevention (Centro para Controle e Prevenção de Doenças) -  americano aqui.

Tenha um kit; Faça um plano; Esteja preparado


Postado por Bel, do seu novo abrigo anti-zumbi.
BelBel é uma leitora compulsiva, e aficionada por RPG, HQs, séries, filmes e outras nerdices em geral. É apaixonada pelo Drizzt Do Urden e por sapatos. Além, de ser péssima com nomes e incapaz de, até mesmo, criar um apelido decente.

4 comentários:

  1. kkkk, rí muito quando eu lí ese livro, a resenha tá muito legal Bel, legal é calcular suas chances de sobrevivencia dependendp da onde vive, se voce tem namorada ou não e se sabe atirar ou não.

    ResponderExcluir
  2. Aahah, mto legal o Post Bel, deve ser de fato mto interessante!

    ResponderExcluir
  3. ler esse livro e olhar zombieland já fazem eu ter experiencia suficiente pra sobreviver a um apocalipse zumbi... exceto se eu for um dos primeiros a ser infectados ^^

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho meu plano pronto já. Que venham os zumbis pra eles verem só xD

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.