terça-feira, 1 de novembro de 2011

Resenha: Sangue Quente



“R é um jovem com um pequeno problema existencial... ele é um zumbi.”


Olá pessoal, hoje trago até vocês uma resenha de um livro um tanto curioso, especial para a semana temática, Sangue Quente de Isaac Marion traz a incrível História de um Zumbi que se apaixona por uma garota.

Abra sua Mente

R está morto, mas nem por isso deixa de ser o carismático protagonista de sangue quente. Este romance apresenta o outro lado da moeda, o que se passa na cabeça de um zumbi? Alguns diriam que é um vazio a ser preenchido (como nos cenários de fantasia onde são preenchidos com ordens), outros diriam que eles apenas têm instinto de sobrevivência. Neste livro, que se passa em um futuro apocalipse zumbi, os monstrengos caçam por instinto de sobrevivência sim, mas não é só por isso, eles têm apetite especial por cérebros, pois ao come-los,  ales absorvem parte das lembranças da vítima, coisa curta mas que promove um êxtase momentâneo  de uma vida que o zumbi não tem.

Não é o R, mas tem o mesmo carisma.
R não se lembra de sua vida, nem do resto de seu nome, às vezes formula frases complicadas e filosóficas, mas consegue apenas expressar grunhidos e gemidos, e têm o recorde criado por ele mesmo de dizer três palavras seqüenciais. No inicio do livro ele nos apresenta toda a sociedade zumbi, que vive em um aeroporto e sai para cidade caçar de tempos em tempos, onde são liderados pelos “ossudos”, os mais velhos que não tem mais carne.

Em um ataque do grupo a um prédio abandonado, eles encontram um grupo inexperiente de jovens humanos, e no meio da bagunça R devora um cérebro de um jovem, mas os flashes de vida dele são mais longos que o normal e de alguma maneira afetam R, ele vê encontros do rapaz com a namorada por quem é perdidamente apaixonado. Passado o flash, ele vê a próxima vítima, é a própria moça, Julie, que ele acabou de conhecer nas memórias de sua vítima, e meio que por instinto ele a lambuza de sangue e a leva de volta ao aeroporto, seqüestrada para que possa protegê-la.

Assim começa toda a aventura de R, nesse romance bizarro, com a moça inicialmente tentando fugir, e ele com a memória do antigo namorado dela querendo o seu bem. Se você é fã do tipo que aceita zumbis que raciocinam e evoluem como nos filmes do Romero, tudo bem, caso não seja, esse livro pode causar certa estranheza. Mas deixando alguns pré-conceitos de lado – como as teorias do Guia de Sobrevivência a Zumbis- o livro me agradou, é fluente e empolgante, e no final eu estava torcendo pro R se dar bem. Vai virar filme.
Sangue Quente no RPG
O livro se apresenta um prato cheio para idéias de RPG, pois já no inicio R nos apresenta toda a estrutura, hábitos e estratégias dos zumbis, apresenta as curiosas vontades deles, ele, por exemplo, nos períodos em que a energia do aeroporto funciona, ele gosta de ficar por horas seguidas subindo e descendo a escada rolante sem parar, outros gostam de ficar parados em frente a uma parede observando, e que todos os zumbis têm um medo de lugar aberto e de estarem sozinhos.


Brasil se preparando para a copa apocalipse Zumbi!

Mais tarde somos apresentados a sociedade humana, como ela vive perante esse apocalipse, aqui temos as grandes fortalezas-estádios, grandes cúpulas fortificadas que no passado foram estádios esportivos, ali os restos humanos sobrevivem precariamente, dependendo muitas vezes de excursões pela cidade em busca de remédios e outros suprimentos. Apresentando diversas funções (classes) em que os humanos se dividem como os cultivadores, os guardas, os exploradores, os treinadores e outros mais.

São varias idéias interessantes para rechear sua aventura de Zumbi, ou quem sabe propiciar um jogo em que os heróis são os Zumbis. Até mais.
DruidaAlexandre Schwarzenegger é Rpgista desde 98, aficionado por fantasia medieval old school e da nova e toda estilizada também, está cursando História e pretende ser um pesquisador na área de educação com o RPG, atualmente fazendo sua monografia e criando seu cenário medieval.

7 comentários:

  1. Poxa, parece ser bem interessante.

    ResponderExcluir
  2. Pior, eu jurava que ia ser uma bobagem completa, mas me surpreendi agora :D

    ResponderExcluir
  3. Parece mesmo um livro interessante! Eu, particularmente, não sou um fã de zumbis que "evoluem", mas sei que é possível criar muita coisa legal a partir dessa idéia (assim como de outras idéias que a princípio possam me soar desagradáveis)... agora, zumbi apaixonado é algo inusitado, gostei xD

    ResponderExcluir
  4. Nossa que legal! Mto interessante a idéia.

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que ideia louca, sempre pensei que os zumbis eram seres asqueroso que nos contaminavam ou tentavam no comer! =D
    Apesar da ideia interessante e inovadora, acho que continuo pensando o mesmo!!!! Kkkkkkk
    Boa resenha... parabéns
    Xero!

    ResponderExcluir
  6. Esse livro me lembra outro que quero muito ler: "Orgulho, Preconceito e Zumbis".

    "É uma verdade universalmente aceita que um zumbi, uma vez de posse de um cérebro, necessita de mais cérebros." Assim começa Orgulho e Preconceito e Zumbis , uma releitura trash do popular romance de Jane Austen. A abertura dessa cultuadíssima versão de Seth Grahame-Smith para a obra do século XIX já destaca as surpresas geradas pela praga misteriosa que se abateu sobre os campos aristocráticos do Sul da Inglaterra, onde os defuntos estão retornando à vida e partem crânios de pessoas comuns para devorar seus miolos.

    No romance clássico, a autora iniciava a saga das casadouras irmãs Bennet com o aviso:"É uma verdade universalmente reconhecida que um homem solteiro, possuidor de uma grande fortuna, deve estar em busca de uma esposa." Agora, porém, no tranquilo vilarejo de Meryton, nossa heroína, a guerreira Elizabeth Bennet, treinada nos rigores das artes marciais, está determinada a eliminar a ameaça zumbi. Até que sua atenção seja desviada pela chegada do altivo e arrogante Sr. Darcy. Ela conseguirá superar os preconceitos sociais dos grandes aristocratas ingleses, tão ciosos e orgulhosos de seus privilégios?

    Grahame-Smith transfigura as famosas passagens do texto de Jane Austen numa deliciosa comédia de costumes. Além dos embates civilizados e repletos de cortesia entre o casal de protagonistas, inclui batalhas violentas, em confrontos cheios de sangue e ossos quebrados. Conjugando amor, emoção e lutas de espada com canibalismo e milhares de cadáveres em decomposição, Orgulho e Preconceito e Zumbis transforma uma obra-prima da literatura mundial em outra história que você realmente terá vontade de ler.


    Ah, e estão fazendo o filme desse livro. Se bem que, como já perderam uns 3 diretores, não se sabe quando sai...

    ResponderExcluir
  7. Cara que viajem a história... se tivesse esse livro nas mão eu leria, apesar de a ideia me causar estranheza inicialmente...

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.