quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Lição: Innistrad, Magic com feeling

 
Olá, classe! Tudo certo por aí? Talvez vocês não saibam, mas, além de RPGista, sou um casual jogador de Magic! E por que não misturar os dois jogos? Pois é, meus caros! Esse é meu mais novo projeto pessoal: jogar RPG em Innistrad!

Quando conheci Magic, torci o nariz: não conhecia muito bem e nem fazia questão, parecia que era o oposto de RPG: um jogo competitivo em que quem vencia geralmente era quem tinha mais grana (de certo modo, isso é verdade, infelizmente). Foi aí que lançaram o bloco (para quem não sabe, o Magic é lançado em blocos, digamos, 200 a 300 cartas com determinada temática) Ravnica, mostrando um universo urbano, dominado por certas guildas. Seguindo o conselho de um amigo, li algumas descrições e até mesmo alguns romances sobre o bloco e... pimba! Deixei o preconceito de lado e até comprei alguns baralhos.



Ravnica: um cenário urbano, uma megametrópole medieval.


Mas, alegria de RPGista nem sempre dura muito: os blocos seguintes apresentaram histórias e ambientações que não me atraíram em nada, fosse para leitura, fosse para o jogo. Agora, em outubro, quando jogávamos uns duelos para relembrar os velhos tempos, um dos jogadores comentou sobre a nova expansão de Magic. A princípio, não dei bola: não estou com grana para comprar cards, logo, por melhor que fosse, não valeria a pena nem olhar. Mas, ao descrever a ambientação do bloco, esse amigo me deixou curioso: "é um cenário de horror gótico, uma série de províncias atormentadas por zumbis, lobisomens, espíritos, demônios e vampiros. Não tem elfos, nem goblins, só humanos e esses caras".

Assim que cheguei em casa, fui em busca da expansão e... pimba, de novo! Encontrei o seguinte link: http://www.wizards.com/magic/magazine/article.aspx?x=mtg/daily/stf/157, a descrição simplificada do cenário. Bem como eu imaginava que um cenário de horror gótico deveria ser... para quem não domina a língua do Tio Sam, o pessoal da Vila do RPG já traduziu essa página (dê uma olhada lá: http://viladorpg.wordpress.com/2011/10/17/pronto-para-publicar-magic-the-gathering-o-plano-sombrio-de-innistrad/).

Imagens dignas de quadros...
 
Em resumo, Innistrad é um mundo dividido em quatro províncias: Gavony, Kessig, Stensia e Nephalia, cada qual com suas próprias características geográficas (centro urbano, floresta, montanhas e litoral, respectivamente). Esse mundo é atormentado por uma aristocracia vampiresca, hordas de lobisomens, demônios, espíritos e zumbis criados por necromantes ou cientistas insanos (no melhor estilo Frankenstein). Para combater esses seres malignos, os humanos voltam suas preces para Avacyn, um arcanjo poderoso, e sua Igreja, com inquisidores, paladinos e clérigos dedicados.
Descrevendo assim, pode vir à cabeça de vocês (como veio a minha) algo semelhante ao filme Van Helsing, mas, não: Innistrad é mais sombrio, mais profundo. Por quê? Bom, digamos que Avacyn simplesmente desapareceu... com isso, seus clérigos estão perdendo os poderes e os seres malignos crescem em poder. Heróis locais precisam fazer o possível para defender suas comunidades.

O terror toma conta de Innistrad...

Conseguiram pegar o feeling da coisa? É um cenário magnífico para uma campanha de RPG! Eu nem mesmo me preocupei em montar decks, comprar cards, etc, etc. Estou é coletando informações e ilustrações (diga-se de passagem, que ilustrações...) para montar uma adaptação desse cenário riquíssimo para minha mesa de jogo. Se der certo, juro que compartilho com vocês. Creio que farei para OD e, principalmente, para o Sistema Daemon: o cenário encaixa-se como uma luva para Arkanun...

Retiro da Falésia: uma forja de heróis para salvar Innistrad

Bom, galera, quem quiser saber mais sobre Innistrad, dá uma olhadinha ali nos links (desde já, um abração ao pessoal da Vila do RPG! Parabéns pela tradução!). Em breve, postarei novidades sobre a adaptação.

Abraços e até mais!
Prof. AlessandroAlessandro é professor de Inglês, Espanhol, Português, Religião e Literatura devido à profissão. Cineasta, cientista, astrônomo (não astrólogo...), artista plástico, ator, músico, linguista, poliglota, crítico e escritor devido à paixão. Leitor, RPGista, nerd, cinéfilo, enólogo e ocultista devido à diversão. Maníaco por cultura devido a algum mal genético. Ah, e chato, por pura força de vontade.

4 comentários:

  1. Bah! Faz tanto tempo que jogo hein!
    Lembro de estar na 4ª série, tinha acabado de sair Lorwyn kkkkk
    Era sempre legal ficar lendo aquelas frases de efeito e historia que tem no final de cada carta.

    ResponderExcluir
  2. jogo magic desde que o booster custava 2 reais... adaptar um dos planos de magic para rpg não uma tarefa difícil, mas requer bastante pesquisa com certeza, principalmente com relação aos romances lançados a cada bloco.

    ResponderExcluir
  3. cara, estou no aguardo ancioso.
    espero que mesmo com todo trabalho que vc vai ter tenha algo rapido para darmos uma olhada.

    que os deuses do rpg lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  4. Comecei com Magic bem novo, uns oito anos de idade. Ravnica surgiu quando eu já tinha por volta dos quinze anos, mas foi um dos blocos que eu melhor acompanhei e mais gostei. Várias vezes ao longo dos anos vi "rpgs" envolvendo Ravnica, mas sinceramente não me agradou.

    Já Innistrad para mim foi um dos piores blocos lançados nos últimos anos, uma decepção.

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.