sábado, 19 de março de 2011

Resenha: Pathfinder Bestiary e Pathfinder GameMastery Guide


Olá, classe! Terminando as resenhas do Pathfinder (e, possivelmente, minhas postagens aos sábados devido a outro projeto RPGístico), vamos analisar o "Livro dos Monstros" deles e o "Livro do Mestre". Leia e confira!
____________________________________________________________

Como eu disse na resenha anterior, só possuo os PDFs, logo, não posso avaliar a qualidade física do livro. Embora eu deteste ler no computador, devo admitir que os PDFs (quando bem feitos) facilitam muito a consulta durante o jogo. Tudo está ao alcance de um clique! Dito isso, vejamos os dois livritchos da Paizo.

Pathfinder Bestiary

A organização do livro é praticamente a mesma do Livro dos Monstros, portanto, você não vai se perder. Pelo que vi, todos nossos monstros conhecidos estão lá, incluindo o Tarrasque, fato que considero estranho, pois acredito que o nome dele não esteja nas licenças do OGL...

Após o índice, temos uma introdução explicando como o livro funciona. Nenhuma novidade além das modificações de algumas regras advindas do Core Rulebook (Movimento de Combate, por exemplo). Depois, temos a descrição dos monstros, seus blocos de estatísticas e ilustração, seguindo a boa e velha forma "Monstros de A a Z".

A descrição dos monstros é a melhor parte do livro. O texto é mais maduro, adulto, não mais um texto neutro e até mesmo sem graça como na 3.5. Os ogros, por exemplo, nunca me deram tanto medo. Leia por você mesmo (nota: o texto abaixo apenas está citado como referência à resenha, não pretendendo ferir qualquer direito autoral):

"Stories are told of ogres—horrendous stories of brutality and savagery, cannibalism and torture. Of rape and dismemberment, necrophilia, incest, mutilation, and all manners of hideous murder. Those who have not encountered ogres know the stories as warnings. Those who have survived such encounters know these tales to be tame compared to the truth."

Não é necessário nem mesmo entender inglês para compreender o que quero dizer... e esse é apenas o texto introdutório! Evidentemente, é preciso maturidade para a leitura do livro. Eu, pessoalmente, gostei desse tom. Os monstros precisam ser maus, senão, qual o motivo para caçá-los? Além disso, apenas o parágrafo citado já faz minha cabeça fervilhar de ideias para aventuras!
O bulette. Ele perdeu aquela cara de bocó da 3.5...

Os blocos de estatística estão um pouco melhor organizados, separados por funções, como defesa, ataque, ecologia, etc. Isso facilita a consulta. Há também a adição de ícones ao lado do nome do monstro, mostrando qual o habitat e tipo de criatura. Apesar de terem sido criados para agilizar o trabalho, não vejo utilidade nenhuma neles... pelo contrário, achei muito mais tralhoso lembrar o que cada símbolo significa do que ler a descrição no próprio texto.

Como era de se esperar, os monstros estão um pouco mais fortes se comparados às edições anteriores. Com heróis detentores de habilidades mais avançadas, nada mais justo. Por fim, outro ponto positivo é o valor de XP previamente calculado, levando em conta um grupo com quatro integrantes.
O Tarrasque. Mas, o que é isso? Um Godzilla com chifres?

Concluindo, o livro não mudou tanto assim. Quando jogamos, muitas vezes usei os monstros do D&D 3.5, aumentando um pouco os PVs, ataques e dano. Algumas imagens ficaram maravilhosas, outras, por outro lado, conseguiram até mesmo piorar. O que realmente vale a pena no livro são as descrições, maravilhosamente adultas e sombrias.
Pathfinder GameMastery Guide
Não importa se você joga Pathfinder ou não, se é old school ou new school, se joga D&D ou Vampiro, Pathfinder GameMastery Guide vale cada centavo de dólar! Estamos acostumados com livros voltados para os Mestres cheios de regras adicionais, tabelas de encontros e tesouros, mas pouquíssima informação realmente útil... o GameMastery quebra esse paradigma.

Ao todo, são oito capítulos seguindo os mesmos nomes dos capítulos do Livro do Mestre (conduzindo o jogo, personagens, aventuras, etc). Apesar dos nomes serem iguais, o conteúdo é completamente outro. A preocupação foi, realmente, formar Mestres de RPG. Há dicas sobre combinações, uso de regras, nível de maturidade e até mesmo organização do local do jogo e alimentação! É impossível descrever todas as dicas dadas, mas imagine contar com dezenas de macetes que costumamos ler aqui no blog (ou em outros blogs) reunidos em um só PDF.

Como todas as regras estão no Core Rulebook, as poucas que vemos aqui não passam de variantes, como novas tabelas para geração de tesouros e alguns tópicos avançados. A maior parte do livro dedica-se exclusivamente a fornecer ao Mestre o know-how necessário para manter o jogo interessante.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção foram algumas citações utilizadas para iniciar os textos: Goethe, Francis Bacon, Shakespeare e vários filósofos gregos. RPG também é cultura! Falando nela, há um apêndice com listas de livros, filmes e músicas inspiradoras para o Mestre.

Já falei sobre como criar PDMs é desnecessário: além do trabalho, dificilmente os Personagens lutarão contra todos eles. Mas, e se o bárbaro resolve brigar com o taverneiro? Aqui, temos a ficha de dezenas de PDMs normalmente encontrados em aventuras medievalescas! Sim, do taverneiro à prostituta! Prato cheio para quem quer seguir sempre as regras e calcular com exatidão a rolagem do Teste de Resistência do taverneiro contra a enfeitiçar pessoas lançada pelo mago...

Outro item útil é uma folha de referência, resumindo as principais regras em um local só. Assim, fica fácil lembrar dos modificadores caso um Personagem decida lutar defensivamente. Ok, você pode decorar isso com o tempo (ou improvisar, melhor ainda), mas, para quem está começando na arte de mestrar, isso é uma ferramente utilíssima.

Quanto às ilustrações, o livro segue o padrão Pathfinder: desenhos bem feitos, sempre coloridos (às vezes, muito colorido) e com algum toque de violência adicional. Eu prefiro ilustrações mais antigas, dos bons tempos do AD&D, portanto, não vou comentar muito...

Enfim, ler o GameMastery é absorver a experiência dos autores da Paizo, macacos velhos do D&D. É lógico que há partes enfadonhas e algumas dicas que eu, pessoalmente, jamais usaria, mas, como um todo, o livro só tem a melhorar o desempenho de qualquer Mestre.

Então, era isso, turma! Qualquer dúvida, é só comentar aí embaixo! Um abraço e até quarta, com nossa penúltima lição sobre mestrar sem tempo.

Prof. AlessandroAlessandro é professor de Inglês, Espanhol, Português, Religião e Literatura devido à profissão. Cineasta, cientista, astrônomo (não astrólogo...), artista plástico, ator, músico, linguista, poliglota, crítico e escritor devido à paixão. Leitor, RPGista, nerd, cinéfilo, enólogo e ocultista devido à diversão. Maníaco por cultura devido a algum mal genético. Ah, e chato, por pura força de vontade.

8 comentários:

  1. Gostaria que uma editora tupiniquim (menos a devir) publicasse o Pathfinder.
    Ótima resenha prof!

    ResponderExcluir
  2. Red, já falei com o pessoal da Paizo. Sequer pedi sobre os royalities, apenas sobre as condições. Para a publicação, eles exigem padrão Paizo: capa dura, ilustrações coloridas, etc. Fizemos um cálculo rápido e, somente o Core Rulebook, sairia com PREÇO DE CUSTO de R$200,00... ou seja, longe pra caramba do bolso do RPGista brasileiro. Seria um tiro no pé.
    Mas, se você quer a tradução, entre em www.ogranderpg.com.br. A galera está traduzindo o conteúdo do PDR, ou seja, o site que citei na outra resenha.

    ResponderExcluir
  3. 2ooTÃO OLOKO O.o
    Valeu a dica prof XD

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Monstros MAUS em aventuras medievais, finalmente! Sempre conheci os ogros como um bicho bruto enorme e esverdeado que vagava por motivo nenhum em ruínas... meu conceito sobre eles mudou agora O.O

    ResponderExcluir
  6. Considerando que muita gente pagou uma média de 80,00 reais no Livro do Jogador 3.5 + 80,00 no Livro do Mestre 3.5 (o que totaliza 160,00)
    Eu acredito que o Core Rulebook (que já são os dois livros em um só) custando 200,00 e com a qualidade do original, não seria tão caro.

    O principal problema seria a aceitação, porque já tem MUITA reclamação do preço dos livros de Reinos de Ferro.

    Fazer o que né, aceitar...

    VALHALLA RPG!!!
    http://Valhalla-RPG.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Pois é... talvez saísse mais barato publicar nos EUA e importar para cá, rsrsrsrs. Valeu pela resenha, professor!

    ResponderExcluir
  8. otima resenha!


    nenhum tarrasque supero o do ditrlizzi!

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.