sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Conversa de Taberna: Um Olhar sobre o Dungeons and Dragons - Part. II




Depois de um resumo bem breve das edições do Dungeons and Dragons, que pode ser vista na primeira parte deste post aqui, vamos passar a um relato de como foi recebia a 4 edição e como está sendo vista essa notícia da nova edição nas comunidades e blogs por aqui e pelo Estados Unidos.



Desde seu lançamento, D&D dominou a indústria de RPG.O sucesso inicial do Dungeons & Dragons levou a uma proliferação de sistemas de jogo semelhantes. Apesar desta competição, D&D gozava de uma posição dominante no mercado na indústria de jogos de RPG. A partir de 2006, Dungeons&Dragons permaneceu como o mais conhecido e best-seller de vendas de jogos de RPG, com uma estimativa de 20 milhões de pessoas terem jogado o jogo e com vendas em valores superiores a 1bilhão de dólares americanos.


Contudo, o Pathfinder RPG da editora Paizo construído sobre a Licença de Jogo Aberto (OGL) do D&D 3.5, agora é a o RPG número um em vendas nos últimos dois trimestres. Paizo também introduziu recentemente miniaturas de plástico para o Pathfinder RPG, bem como uma caixa de conjunto iniciante para o jogo, e também anunciou recentemente uma série de livros e quadrinhos MMORPG que estão em desenvolvimento.

Voltando ao D&D, é difícil dizer qual vai ser o legado da 4ª Edição. No lado positivo, ele introduziu uma nova maneira de jogar o jogo, simplificando as regras, e tendo uma maior facilidade de preparação por parte do Mestre, além de classes de personagens que eram complementares e equilibrada. Muitos, inclusive o próprio Michael Mearls, tem sugerido que por dter sido muito bem equilibrada. Contudo, muitos jogadores sentiram estas mudanças foram uma lufada de ar fresco e engenhosidade.

Por outro lado, a introdução de 4E causou um cisma na grande base de jogadores de D&D e igualmente no mundo editorial, que em última instância levou à ascensão do RPG Pathfinder e uma fragmentação da base de jogadores do D&D. 
Pode-se encontrar estes jogadores divididos em quatro grupos (AD&D, D&D 3.5, 4E, ou Pathfinder RPG), que muitas vezes são mutuamente excluídos.
 As discordâncias, enraizada nas diferenças filosóficas e econômicas, geraram o termo editions wars (guerra de edições), pode-se ler melhor sobre ela aqui.


É difícil não prever que o anúncio da 5ª Edição de D&D pode ter o mesmo efeito, apenas dividir uma base de jogadores já reduziu da 4E em 4E e 5E - especialmente considerando que a edição atual, que foi lançado em junho de 2008 , teve uma vida tão curta. Também é difícil esperar muito de uma mudança quando se trata de uma nova edição, pois são elencados que a maioria dos problemas com a atual edição não são devido ao sistema em si, mas a falta de apoio e visão consistente de Wizards of the Coast sobre o jogo.

Nos últimos anos, começando com o simples anúncio de 4E e o desastre do suporte virtual, Wizards tem sido muito pobre em se comunicar de forma honesta e aberta com a sua base de fãs e jogou no mercado uma série de subprodutos ou produtos com um suporte ruim, muitos dos quais viram erratas, quase que imediatamente após a sua libertação. A inclusão de novos recursos confusos e colocando a maioria do material de apoio online atrás de plataformas pagas, também contribuiu para afastar muitos jogadores em potencial. Além, a publicação de títulos confusos e formatos (como a linha Essentials) que foram mal diferidos e abandonados logo após a sua publicação, não ajudou a manter a base de jogadores.

Além disso, a Wizards of the Coast tem uma grande dificuldade em entregar o que promete. As ferramentas de software on-line têm ficado, regularmente, meses sem atualizações, as revistas o online oscilaram na qualidade. Não está claro o que será do VTT (Virtual TableTops) muito aguardado, que ainda está em testes beta, depois de anos de atraso, agora que uma nova edição está em andamento. Não é difícil imaginar que os fãs 4E que estavam esperando mais de três anos para jogar sua versão favorita de D&D on-line estão fora do tempo e, portanto, fora da sorte.



Pelo que percebi das comunidades de RPG e Blog’s, o anuncio da nova edição do Dungeons and Dragons está sendo visto com uma grande dose de ceticismo, variando, a maioria das opiniões do neutro ao negativo.
No entanto, pelo menos eu, ainda tenho esperança de que, talvez, os desenvolvedores do D&D reflitam sobre o que ocorreu mal com a última edição, e façam um esforço sério para corrigir todas as deficiências com a próxima edição. Penso, que eles precisam para começar, reconstruir o vínculo de confiança com os seus fãs (o que pode ter início com os playtestes abertos), através de uma comunicação aberta e um esforço honesto para fazer um grande jogo de código aberto (OGL), ao invés de um construído exclusivamente com base em margens de lucro das empresas. Se forem fazer isso, penso que seria um enorme passo na direção certa e, talvez, comecem a trazer todos os diferentes jogadores de D&D de volta para o mesmo grupo.

Uma edição para a todos unir?

Postado por Bel.
BelBel é uma leitora compulsiva, e aficionada por RPG, HQs, séries, filmes e outras nerdices em geral. É apaixonada pelo Drizzt Do Urden e por sapatos. Além, de ser péssima com nomes e incapaz de, até mesmo, criar um apelido decente.

Um comentário:

  1. achei os dois posts muito legais, bel. ajuda a dar uma apanhado geral das coisas, parabens!

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.