segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

Lição: Deuses para D&D 5

Boa noite, turma! Precisando de novos deuses para sua mesa ou seu cenário? Sem problemas! Eis um panteão novinho em folha para D&D!

Como vocês já devem ter percebido, entrei de cabeça no novo D&D. Por quê? Bom, em breve farei um post falando sobre isso e explicando porque vale a pena dar uma chance à 5ª Edição. Um dos motivos foi justamente a classe clérigo e a nova visão de domínios.
Na nova edição, temos apenas oito domínios (ao menos por enquanto): Luz, Natureza, Vida, Tempestade, Guerra, Conhecimento, Enganação e Morte. No entanto, cada um deles representa aspectos mais completos. Luz, por exemplo, representa tanto o sol, as estrelas, o fogo como também a beleza, a perfeição. Pode parecer bem estranho, mas, se pensarmos nos deuses gregos, era mais ou menos assim. O próprio Apolo era tanto deus do sol quanto da perfeição, da beleza.
Cada domínio dá acesso a vários poderes além das magias de domínio. Proficiência em armas, armaduras, habilidades de cura, etc. Assim sendo, o domínio amplia ainda mais a versatilidade e a originalidade do clérigo.
Bom, vamos a um panteão novinho, apresentando dois deuses para cada domínio? Partiu!

Domínio do Conhecimento
Mithrandir, o Peregrino (Caótico e Bom)
Também chamado de Peregrino Cinzento, é o deus do conhecimento acadêmico e da magia. É retratado como um senhor de longas barbas, trajando cinza e apoiado em um cajado. Dizem que ele vaga por aí, presenteando os mortais com o dom da sabedoria e do conhecimento.
Mithrandir (inspirado em Odin e Gandalf)

Wayland, o Ferreiro (Neutro e Bom)
O Ferreiro dos Deuses, ou o Deus Manco. Wayland é o deus das forjas e dos ofícios, patrono dos artífices de todo o mundo e dos anões. É retratado como um anão de meia idade, arqueado pelo trabalho e manco de uma perna. Foi ele quem forjou a Vingadora Sagrada, a espada de Túrin, o deus da justiça, e o Portador da Carnificina, o martelo de Thuor.


Domínio da Luz

Elendil, o Alto (Leal e Bom)
O Cavaleiro Dourado, o Purificador. Elendil é o deus do sol e da purificação. Seus clérigos são caçadores de mortos-vivos e caídos (não achei tradução melhor para fiend, no sentido do D&D). É retratado como um guerreiro elfo loiro, armado com espada longa e arco. Ele é o patrono dos paladinos que seguem o Voto da Devoção.
Elendil (inspirado em Ëarendil)

Brego, o Cavaleiro (Leal e Neutro)
O Civilizador, o Governante. Deus das cidades e dos povoados, bem como das viagens, dos cavalos e do comércio, Brego é adorado pelos chamados civilizados. Seus ensinamentos pregam que os povos precisam evoluir e o progresso precisa chegar a todos os cantos do mundo para que todos prosperem.

Domínio da Natureza
Iona, a Verdejante (Neutra)
A Deusa-Primeva, a Mãe-Natureza. Adorada principalmente por druidas e rangers, é a deusa da natureza e das plantas. Não possui templos fechados, sua adoração se dá ao ar livre, longe da civilização. É retratada como uma senhora de cabelos grisalhos, porém seu rosto é de uma jovem. Anda sempre vestida em tons de verde e marrom, mesclando-se com as matas que costuma visitar.

Herne, o Caçador (Neutro e Bom)
O Cornífero, o Homem-Verde, deus dos animais e dos caçadores. É retratado como um homem com cabeça de cervo, sempre portanto um arco longo. Protetor dos rangers e dos arqueiros, patrono dos paladinos que seguem o Voto dos Antepassados.
Herne (inspirado no Herne do folclore inglês)

Domínio da Tempestade
Thuor, o Furioso (Caótico e Neutro)
Senhor do Trovão, Pai da Fúria. Deus das tempestades, das chuvas e dos bárbaros. É retratado como um bárbaro, trajando um elmo alado e portando um martelo, o Portador da Carnificina. Thuor é tanto adorado quanto temido, pois protege os guerreiros em batalha, mas, quando irritado, devasta as terras com suas tempestades.
Thuor (inspirado, é claro, no Thor da mitologia nórdica)

Aina, a Inconstante (Caótica e Neutra)
A Dançarina, Senhora das Águas. Deusa dos mares, dos rios e dos lagos. Retratada como uma mulher de longos cabelos, trajando um vestido branco igualmente longo, com presilhas em formato de conchas nos cabelos. Assim como Thuor, é amada e temida. Os marinheiros e pescadores prestam homenagem a ela antes de sair às águas.

Domínio da Guerra
Túrin, o Justo (Leal e Neutro)
O Imparcial, o Lâmina Negra. Deus da justiça e da lealdade. Túrin era um herói mortal, que teve sua amada morta durante um ataque orc. Clamou por vingança e foi ouvido. Wayland, o Ferreiro, forjou-lhe a Vingadora Sagrada, uma espada imbuída com poder divino. Túrin conquistou sua vingança e, ao morrer, ascendeu a condição de deus. Clamado quando injustiças acontecem, Túrin é realmente imparcial, julgando e punindo todos os culpados. É o patrono dos paladinos que prestam o Voto da Vingança.
Túrin (inspirado no personagem Túrin Turambar, de Tolkien)

Valíria, a Protetora (Neutra)
A Deusa Guerreira, a Senhora dos Guardiões. Deusa da guerra e dos soldados, invocada nos campos de batalha e nas patrulhas pelos soldados. Retratada como uma amazona, portando lança e escudo, acredita-se que Valíria desce dos céus em busca das almas daqueles mortos em combate e que tenham provado seu valor.

Domínio da Vida
Albion, a Branca (Leal e Boa)
A Curandeira, a Piedosa. Retratada como uma velha senhora, sempre sorridente, a deusa da cura e da piedade é muito aclamada pelos enfermos e feridos. Muitas vezes vista como uma deusa inocente, até mesmo ingênua, Albion procura proteger a todos que precisam, não importando sua tendência ou intenção. Para ela, todos podem ser redimidos com uma segunda chance.

Elbereth, a Iluminada (Neutra e Boa)
A Dama Prateada, Senhora das Estrelas. É esposa de Elendil, deusa das estrelas e da lua, protetora dos elfos. Dizem que a prata são lágrimas da deusa caídas em uma batalha entre deuses e caídos, no início dos tempos. Ela é retratada como uma elfa de cabelos negros e pele clara, trajando um vestido azul, ornado de prata.
Elbereth (inspirada em Varda Elentári, do Tolkien)

Domínio da Enganação
Balder, o Bardo (Caótico e Bom)
O Deus Brincalhão, o Deus de Duas-Faces. Balder é o deus da música, da poesia e das festas. Também é adorado por contadores de histórias e pelos gnomos em geral. Embora não seja levado muito a sério, Balder já auxiliou os demais deuses inúmeras vezes e é o único além de Mithrandir capaz de traçar uma linha do tempo dos primórdios aos dias atuais, ainda que com algumas licenças poéticas.

Odara, a Donzela (Caótica e Neutra)
A Bela, a Intocada. Odara é a deusa do amor e dos amantes. Retratada como uma jovem donzela em vestes rosadas, é a mais bela das deusas e a mais cobiçada, embora jamais tenha rendido-se a nenhum pretendente. Sua diversão é espalhar o amor pelo mundo, às vezes agindo por impulso e outras tantas divertindo-se com as confusões causadas pelos sentimentos que provoca. Também é a patrona dos halflings.

Domínio da Morte
Bran, o Destino (Neutro)
O Inescapável, o Homem Pálido. Bran é o deus da morte natural, do destino final de todos os seres. Também é visto como deus da sorte, pois permite que muitos escapem e vivam por mais alguns anos. É retratado como um homem alto, pálido e com cabelos desgrenhados.
Bran (inspirado em Morpheus, do Neil Gaiman)

Hella, a Conselheira (Leal e Neutra)
A Guardiã do Além Vida, a Senhora do Pranto. Hella é esposa de Bran e aguarda nos portais do além vida para julgar as almas dos mortos, indicando para onde irão após a morte. Sempre é retratada como uma mulher jovem, de cabelos negros e de expressão severa.

Então, eis os novos deuses! Alguns podem estranhar a ausência de deuses malignos. Bom, em minhas campanhas, prefiro que os deuses sejam neutros, com alguns bondosos no meio. O outro lado da Força deixo a cargo dos caídos (demônios e diabos).

Por hoje era isso! Até breve, galera!
Prof. AlessandroAlessandro é professor de Inglês, Espanhol, Português, Religião e Literatura devido à profissão. Cineasta, cientista, astrônomo (não astrólogo...), artista plástico, ator, músico, linguista, poliglota, crítico e escritor devido à paixão. Leitor, RPGista, nerd, cinéfilo, enólogo e ocultista devido à diversão. Maníaco por cultura devido a algum mal genético. Ah, e chato, por pura força de vontade.

3 comentários:

  1. Excelente contribuição.

    Pergunta besta: a 5ª edição tem algum panteão pré-definido como nas últimas edições?

    ResponderExcluir
  2. Olá, Luciano! Um não, vários! Há poucos detalhes sobre cada deus em específico, mas há informações sobre os deuses de Forgotten Realms, Greyhawk, Dragonlance, Eberron, além dos deuses celtas, nórdicos, gregos e egípcios. Além disso, ainda temos um resumo bacana dos planos de existência.
    Já no livro do mestre, eles ensinam como criar seu panteão e apresentam como modelo o panteão "salada de frutas" da 4ª edição como exemplo. Abraços!

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.