terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Meditação: Do Que é Feito um Bom Personagem?

Há algum tempo, tinha feito um post sobre o que torna um RPG um bom RPG. Acho que por se tratar de uma questão bastante ampla e com diversas variáveis a se considerar, ela se tornou improsseguível a partir de certo ponto.

Bom, mas, e se tratando de uma esfera bem menor, como por exemplo o personagem? Afinal de contas, nós que somos Mestres dos mais diversos sistemas há algum tempo já passamos pelo Céu e Inferno que é aturar os mais criativos e desvairados devaneios dos jogadores na hora de compor seus personagens.

Aqui, viso primeiramente tratar de minha opinião do que é e o que não é um bom personagem. E é claro que toda e qualquer opinião posterior é muito-bem vinda aos comentários.
____________________________________________________________

1. Um Bom Personagem é Útil.
Raciocínio oriundo de RPGs mais gamistas, como D&D, mas é uma verdade quase universal. Dentro da proposta de determinado RPG, ir contra a maré é no mínimo pedir que o Mestre crie house rules para cobrir mecânicas não abordadas pelo cerne do sistema e distoar bastante da proposta original dele. Sim, isso pode ser bem frustrante para o Narrador (e tem gente que nem se preocupa com a diversão dele).

Primeiramente, tente nadar a favor da proposta do RPG. Faça um samurai em L5R, um aventureiro em D&D, um super-herói em M&M e um detetive do sobrenatural em Dresden Files ou Rastro de Cthullu. Fazer um super-herói em L5R, um aventureiro medieval para M&M e um samurai para Dresden Files ou Rastro me parece deveras complicado. O personagem pode ter uma história excelentemente escrita para a aventura ou um excelente motivo para distoar tanto assim do cenário pretendido, mas levar a história com ele provavelmente acarretaria transtornos narrativos e episódios dramáticos imprevistos que provavelmente mais servirão como obstáculo ao prosseguimento da campanha do que para ajudar no sentido da aventura que o Mestre se deu ao trabalho para escrever. Ah, sim. Estou considerando que haja tal justificativa. Muita gente ainda pergunta se pode jogar de mago em Vampiro: A Máscara.

Em segundo lugar, pare para pensar num motivo para os outros jogadores quererem seu personagem no grupo. Supondo, claro, que seja um RPG onde a idéia de grupo cooperativo existe. Para que ele serve? O que ele faz bem? E o que ele faz bem é útil? Um personagem que seja um verdadeiro cheff de cozinha pode ser muito útil numa campanha de D&D em que o aspecto lojístico seja levado em consideração, mas, com rações de comida abundantes para todo mundo, ou numa escassez tremenda de recursos naturais, isso tende a ser meio... Inútil.

Outro aspecto dessa "utilidade" depende em parte da proposta da aventura pretendida. Fazer um thri-kreen para uma aventura que se passará numa cidade élfica tradicionalista e preconceituosa (imaginem o prefeito Aramil, dos Contos de Elgalor. Pois é. Entenderam agora?) no meio de uma floresta pode ser problemático. Para evitar isso, acho que é melhor conversar com o narrador para saber pelo menos de leve do que se trata a aventura. Espera-se que ele não revele nenhum spoiler, mas acho que evita personagens deslocados igual um cortesão Doji no meio das Terras Sombrias. Claro, esse deslocamento pode ser muito legal. Mas não é sempre.

2. Um Bom Personagem tem uma Boa História
Este ponto é tão simples que chega a ser complicado. Ter um bom prelúdio é algo que pode nem ser tão essencial assim em certos RPGs (como D&D). Mas em outros ele é parte integrante da sua própria ficha (Dresden Files). Todavia, muita gente acha que tamanho é documento e escreve aquela biografia do tamanho de uma tese como prelúdio. Vale lembrar que RPG ainda é apenas um hobby do qual muito pouca coisa depende, e imagino que ninguém tenha disposição de ler um volume maior de 15 páginas sobre a vida de um personagem fictício sobre o qual nenhum valor financeiro ou afetivo muito grandes estão envolvidos.

Na hora de escrever um prelúdio, por favor, pare para pensar no que é vai ou não vai ser útil ao longo da narrativa. Detalhes são detalhes e devem continuar sendo menores do que o objeto principal. Ou seja, exceto que seja provavelmente importante ou significativo para a provável narrativa da aventura, ninguém se interessa em saber qual era a cantiga de roda predileta do seu personagem, qual a cor do vestido predileto da mãe dele ou o endereço da rua onde ele morava. Claro, detalhes como esses podem vir a ser importantes, mas dificilmente os vejo como vitais para receberem atenção além de uma citação. Caso algum detalhe da vida anterior do personagem venha a ser importante lá na frente, todo mundo tem o direito de retroagir o foco da narrativa para aquele momento. A narrativa de RPG de maneira alguma precisa ser xiitamente linear.

3. Um Bom Personagem tem Futuro
Não que seja irreal a existência de uma pessoa totalmente sem pretensões futuras, mas acho que isso acrescenta um potencial muito maior a qualquer personagem. Não que sejam estritamente os "sonhos" do personagem, mas sim o que ele pretende ser no futuro. Acontece muito com jogadores de D&D já irem montando seus personagens de Nível 1 já pensando nesta ou naquela classe de prestígio, que eles só vão conseguir lá pelo 15º Nível. Isso pode sim ser interpretado com o personagem desde cedo já querendo ser um arqui-mago ou um arqueiro arcano. Talvez essas pretensões e propósitos seja descobrir alguma coisa (ou alguém), conquistar o coração de certa pessoa ou ficar famoso em determinada área.

Bom, em resumo, acho que é isso. Considero esse um resumo do "Jogo das 20 Perguntas" de L5R. Resumidamente, o que um bom personagem precisa para começar numa boa campanha é um passado, um valor no presente e uma expectativa futura interessante.

E vocês, o que acham?

13 comentários:

  1. o clérigo, o ladino, o dragao, o professor e o samurai :D

    otima postagem, achei bem claro

    ResponderExcluir
  2. Tinha um jogador que fazia bem essa besteira de querer ir contra a temática, se era vampiro ele fazia um caçador, se era um grupo de mercenários (fantasy) ele fazia um paladino. kkkkkkk
    Ótimas dicas hayashi!

    @Rafael eu acho que o hayashi é tipo um monge.

    ResponderExcluir
  3. Tem o (quase) mago também! Eu derrubei uma poção do meu mestre e acabei com o tapete dele, que me fez trabalhar de escravo por uma semana, mas tô vivo ainda :D

    ResponderExcluir
  4. Sobre o post, eu gosto da história e do futuro, mas geralmente ignoro a utilidade do personagem... /:

    Haha

    ResponderExcluir
  5. foi mal, encaitar!
    esqueci de vc!

    verdade, tem o mago ainda.

    o grupo ta completo!

    ResponderExcluir
  6. Tem o Cavaleiro e o....Manolo rsrsrsr

    ResponderExcluir
  7. Senhores, incrivel como que mestres possuem praticamente o mesmo conceito!

    Inúmeras vezes peço aos meus jogadores para não criarem personagens que destoam da ideia da campanha. Muitas vezes tive que vetar personagens porque não combinavam em nada com o cenario, ou desequilibravam o jogo.

    Uma boa alternativa que encontrei foi de passar um guia de campanha com a ideia principal da aventura para os jogadores. Tipo, personagens, profissoes, raças e outros detalhes que os ajudam a criar seus personagens!

    Quanto a história, premio as historias com pontos de experiencia, mas elas devem ser sucintas, no máximo 10 linhas! A verdadeira hostoria é feita na mesa de jogo, não no prelúdio!

    RPGames Brasil
    http://rpgamesbrasil.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Como o Druida disse: "Mestres possuem praticamente o mesmo conceito!"

    Recentemente abordei em meu blog um assunto onde a qualidade dos personagens é discutida...

    http://casadeprata.blogspot.com/2011/01/dica-do-mestre-npcs-famosos.html

    ...acredito que quando todos estão interessado em um boa diversão (EM GRUPO), com seus membros respeitando a diversão alheia, não pode dar errado!!!

    ResponderExcluir
  9. Muito bom esse post, Hayashi! Quando li essa parte:

    "Resumidamente, o que um bom personagem precisa para começar numa boa campanha é um passado, um valor no presente e uma expectativa futura interessante."

    Lembrei de Castelo Falkenstein, onde cada personagem precisa de uma raison d'itre, uma razão para viver, que se divide em Uma Grande Paixão, Um Inimigo Jurado e três Objetivos (um social, ou profissional e outro recreativo).

    Castelo ruleia!

    ResponderExcluir
  10. "Mestres possuem praticamente o mesmo conceito"

    OK! OK! EU vou fazer uma revelação bombástica:

    - Somos frutos de uma única inteligência coletiva
    a MESTRIX!

    Pronto falei.. =P

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Muito bom post. Realmente abordou ótimas idéias.
    Eu sou mestre a alguns anos, e também odeio personagens que fujam da idéia da campanha, estraga a diversão. Já cheguei a planejar mesas com personagens pré-fabricados, a ponto dos jogadores somente escolheram qual queriam e fazerem alguns minimos detalhes, também é muito divertido.

    ResponderExcluir
  13. Vou levar essa para minha próxima aventura. Meu grupo gosta de fazer uns personagens estranhos por hora...

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.