quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Prontuário: Dissecando o WoD


Bem vindos a mais um dos nossos encontros esporádicos, nessa bela noite trataremos dos assuntos vampíricos, vendo e revendo certos conceitos do WoD.

____________________________________________________________



III Ato O Sangue:

Vampiros, seres imortais amaldiçoados, condenados a caçar e beber o sangue de suas vítimas trazendo a morte. Poderosos, influentes, manipuladores e pecaminosos. É essa a imagem inicial que muitos adquirem do mito vampírico, mas esquecem de um detalhe deveras importante, pois tais seres já foram humanos um dia e conservam eternamente muitas das características que definem “HUMANIDADE”.

Existem milhares de mitos que tentam explicar a origem dessas criaturas noturnas, e parece que todas são incertas. Essa incerteza é o tempero principal do mundo gótico contemporâneo que o “novo” livro quer que provemos.

Vampiro Réquiem, antes Vampiro a Máscara, muitos se perguntam: Porque esse nome?

A máscara definia a tradição do segredo que os vampiros mantinham para ficar invisíveis perante a humanidade (fato que garante a sobrevivência). E esse Réquiem o que define?


Pela definição do dicionário:

ré.qui.em
(Religião) missa especial por intenção da alma de um morto
(Música) música para essa missa

Mas para os vampiros Réquiem define a suas não vidas, a grande valsa predestinada que cada um dança nas noites, instigados pelos acordes metafóricos da música.

Entre as mudanças dignas de nota está a forma de organização dos vampiros, que agora fazem parte de uma “família” (temo que define a espécie vampírica como todo), é dividida em coalizões que por sua vez é composta por clãs. Os clãs são cinco (Mekhet, Nosferatu, Ventrue, Devas e Gangrel), Dentro das coalizões todos os membros pertencem a um ou outro desses clãs. Antes de abordar as coalizões veremos algumas características dos clãs: 


Mekhet: Rápidos discretos e sábios, chamados de sombras, é o clã mais cosmopolita dentre todos.

Nosferatu: Dissimulados, Fortes e apavorantes, também chamados de assombrações, são vampiros temidos até pela própria família.

Ventrue: Régios, imperiosos e aristocráticos, conhecidos como lordes, o clã dos magistrados de chicotes.

Devas: Emotivos, sensuais e desejáveis, de alcunha súcubos/Íncubos, maestros da sedução eles são o clã dos desejos.

Gangrel: Primitivos, intrépidos e selvagens, conhecidos por selvagens, esse é o clã de filósofos despreocupados e desapegados da sociedade.

Esses são os cinco clãs reconhecidos pela família, mas existem muitas outras linhagens que são abordadas nos suplementos.

As coalizões são como as nações, partidos políticos e até religiões dos vampiros, elas são fundamentadas por ideais, tradições e certos dogmas. São essas as engrenagens da família, elas definem credos e buscam, cada uma a seu modo, descobrir a verdade sobre os vampiros.

São elas:

Os Cartianos: Tentam reconciliar a sociedade da família com as estruturas governamentais e os sistemas sociais contemporâneos.

O Círculo da Anciã: Veneram uma série de personagens femininas, como se estas fossem um amalgama da criadora dos vampiros, a mãe de todos os monstros.

O Invictus: representam a aristocracia das noites.

A Lancea Sanctum: São os crentes de Longinus, tentam influenciar a sociedade vampírica com os dogmas de seu suposto criador, são os amaldiçoados pelo sangue de cristo.

Ordo Dracul: A ordem do mitológico príncipe Dracul, são os conhecedores dos segredos místicos do sangue e seus rituais, tais artifícios permitem que membros transcenderem a condição vampírica. 


As coalizões geram atritos que dão origem as tramas e histórias que podem ser vividas pelos personagens, mas todas elas são regradas por três tradições ancestrais: A máscara, progênie e amaranto, que resumem as antigas seis tradições de Caim.

A humanidade é a balança da moralidade que os vampiros seguem, ela estipula a fronteira entre a razão e os instintos.

O livro traz inúmeros detalhes que seriam impossíveis resumir nessas poucas linhas que me restam, mas espero ter contribuído no ato de aguçar a curiosidade de vocês. Vale lembrar que a White Wolf  lançou um manual que traz todas as regras para adaptar os antigos vampiros em seu novo sistema. Sem mais delongas, encerro essa dissecação agradecendo os e-mails a atenção dos comentaristas e leitores.


“Eis a chave para evitar o mal-estar da eternidade. Deixe cada noite, cada nota, se destacar no contexto do Réquiem no qual sua vida se transformou”.
- Charlotte Gaudibert – Aequitas fatalis.
Dr. NosferatuDr. Nosferatu é um medico RPleGista que foi abraçado há muito tempo. Adora revelar os mistérios sombrios do mundo das trevas e tem sempre muitas informações para trocar, quem sabe por favores: é voce quem decide!

15 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu concordo com a postura do doutor. Deixando as ideias antigas de lado e olhando com olhos de algo novo, não tem como não surpreender-se com as novas ideias.

    ResponderExcluir
  3. A verdadeira beleza está contida nos olhos de quem vê.

    Mais uma vez agradeço a atenção de todos.

    ResponderExcluir
  4. O Antigo MdT era ótimo para época em que foi feito. RAPIDO, DIRETO e com um MEGAPLOT.

    Assim como o D&D 3.X trouxe liberdade, o mesmo ocorreu com o NWoD. Você não está mais preso a um cenário imutável e totalmente dissecado.

    Uma vez que joguei o Requiem, nunca mais conseguir imaginar Vampiro A Mascara sem as coalizões.

    E é praticamente impossivel jogar com o Storyteller depois q se conhece o Storytelling. (Sistema criado em 2004 e até hoje sem necessidade de revisão)

    Sou fã da White Wolf rs

    Até mais Bucaneiro.

    ResponderExcluir
  5. Ahhh, eu tenho esse livro, na versão importada ainda; comprei por APENAS R$ 5,00 num sebo da minha cidade (acreditem se quiserem), mas ainda não li... Acho que logo vou fazer isso, pra treinar um pouquinho minhas (parcas) habilidades com a língua da Bretanha :D

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda mal comecei a me aventurar pelo Old World of Darkness huauahua.

    Mas o Réquiem é a próxima vítima.

    ResponderExcluir
  7. Mas que vampiro inoportuno este! Agora resolveu de toda semana postar seus amaldiçoados prontuários neste sacro-blog! E nem me pediu permissão!

    Mas devo admitir que até eu estou começando a gostar do que escreves. Até começo a acreditar que vampiros poderiam ser redimidos (no caso de falha em um teste de turn Undead, rsrsrs)

    ResponderExcluir
  8. Seus poderes não me afetam caro sacerdote, Pois eu tenho mais ardis do que sonha sua filosofia.

    ResponderExcluir
  9. Mas que petulância deste infeliz Nosferatu! Certamente tu tens algum comparsa dentre a equipe deste blog, pois toda vez que te excluo da lista de autores, teu nome retorna durante as madrugadas.

    ResponderExcluir
  10. Tenho meus contatos no mundo da informática, e vejo que plantei a dúvida em seu íntimo...como planejado.

    ResponderExcluir
  11. Vai rolar expulsão adicional?
    KkkkkkkKKKKKkkkkkkkkkkkkkKKKkkk

    ResponderExcluir
  12. Caro doutor, seria por acaso um de seus contatos um adepto da virtualidade?

    ResponderExcluir
  13. Quando eu descobrir quem é seu contato, Dr. Nosferatu, ambos serão expulsos sem mais delongas...

    ResponderExcluir

Seja um comentarista, mas não um troll! Comentários com palavrões ou linguagem depreciativa serão deletados.